top of page

Governança Global da Saúde

Nos últimos séculos, testemunhamos notáveis avanços tecnológicos que exerceram um impacto direto no progresso da saúde em escala global. Um dos marcos pioneiros ocorreu em 1798 pelas mãos de Edward Jenner.

Esse visionário médico inglês observou que trabalhadores rurais envolvidos no constante ordenhamento de vacas contraíam uma variante de varíola conhecida como "cowpox", a qual resultava em feridas com pus disseminadas pelo corpo. No entanto, por meio do contato contínuo, eles desenvolviam imunidade a essa doença. Partindo dessa premissa, Jenner concebeu a ideia de inocular o pus retirado de um camponês imune em um menino de oito anos, obtendo o mesmo efeito. Esse caso tornou-se o protagonista da sua descoberta, detalhadamente documentado em sua obra "Um Inquérito sobre as Causas e os Efeitos da Vacina da Varíola". Inicialmente, o projeto enfrentou considerável resistência, mas ao comprovar sua viabilidade, a tecnologia difundiu-se rapidamente pelo mundo, com o primeiro laboratório estabelecido em 1799, em Londres, e alcançando o Brasil em 1804. Em outras palavras, levou apenas seis anos para que essa inovação ultrapassasse fronteiras oceânicas e passasse a surtir efeitos em escala global.

Nesse contexto, as inovações na área da saúde ganharam crescente relevância devido à sua eficácia na erradicação de doenças e na resolução de problemas. Isso resultou em um desenvolvimento acelerado, altamente globalizado e cooperativo, com a disseminação dessas descobertas sendo priorizada. Porém, para que esses avanços se consolidassem, foi fundamental uma sólida associação entre instituições governamentais e a indústria tecnológica. A parceria entre governos e empresas de tecnologia desempenhou um papel crucial na pesquisa, desenvolvimento e distribuição de soluções médicas inovadoras.

Nos anos subsequentes, ocorreram mudanças impressionantes na expectativa de vida e na taxa de mortalidade infantil. Esses avanços pioneiros na área da saúde tiveram um impacto profundo nas estatísticas globais de saúde. Nas décadas que se seguiram, observamos um aumento substancial na expectativa de vida e uma significativa diminuição da taxa de mortalidade infantil. A expectativa de vida, que anteriormente era consideravelmente limitada, começou a se elevar de forma notável. Por exemplo, no século XIX, a expectativa de vida média global era de cerca de 30 anos. No entanto, à medida que as inovações médicas se multiplicaram e se disseminaram, essa cifra aumentou drasticamente.

No século XX, com a descoberta de antibióticos, avanços em cirurgia, imunização em massa e uma compreensão mais profunda das doenças, a expectativa de vida global subiu para cerca de 65 anos até o final desse século. Já no século XXI, com a rápida expansão do acesso a tratamentos médicos, tecnologias de diagnóstico avançadas e abordagens personalizadas de cuidados de saúde, a expectativa de vida global continuou a aumentar, ultrapassando os 70 anos em muitos países e regiões, e até mais em algumas nações desenvolvidas.

Em paralelo, a mortalidade infantil também sofreu uma drástica redução graças a campanhas de vacinação, melhorias nas condições de higiene e nutrição, bem como o acesso a cuidados médicos mais eficazes. A governança global da saúde, ao longo do século XIX até o presente, passou por uma evolução notável.

No século XIX, as primeiras convenções internacionais sobre saúde começaram a surgir, com destaque para a Primeira Conferência Sanitária Internacional realizada em Paris, em 1851. À medida que os problemas de saúde cruzavam fronteiras cada vez mais rapidamente, a necessidade de uma coordenação global tornou-se evidente. A criação da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1948, como uma agência especializada das Nações Unidas, representou um marco crucial na governança global da saúde. A OMS desempenha um papel vital na coordenação de esforços internacionais para combater doenças, melhorar sistemas de saúde e promover políticas de saúde pública.

A velocidade com que as tecnologias médicas e de saúde têm avançado desde então é impressionante. A progressão na descoberta e desenvolvimento de novas tecnologias médicas, como a genômica, terapias avançadas, inteligência artificial aplicada à medicina, entre outras, está redefinindo completamente a maneira como abordamos a saúde globalmente. A governança global da saúde está enfrentando o desafio de acompanhar essa velocidade vertiginosa de inovação, garantindo que os benefícios dessas tecnologias alcancem a todos, independentemente de sua localização ou condição socioeconômica.

Nesse contexto de colaboração entre governo e indústria tecnológica, a TORO RIG se destaca como um parceiro essencial para facilitar essa cooperação estratégica. Trabalhando em estreita colaboração com organizações governamentais, empresas de tecnologia e outras partes interessadas, buscamos promover e auxiliar políticas de saúde pública que incentivem a inovação, a pesquisa e o acesso igualitário a avanços médicos. Com a nossa experiência em relações institucionais e governamentais, estamos comprometidos em contribuir para o contínuo progresso da saúde global por meio da colaboração efetiva entre todos os atores envolvidos.

Em síntese, os avanços na saúde ao longo dos séculos moldaram um panorama de expectativa de vida mais longa e redução da mortalidade infantil. A evolução da governança global da saúde, desde suas primeiras raízes até as complexidades atuais, reflete nosso esforço coletivo para enfrentar desafios de saúde em um mundo que passa por um processo de desglobalização, porém tecnologicamente acelerado. A TORO está pronta para ser parte integrante desta jornada, facilitando a colaboração entre os setores público e privado em busca de soluções de saúde mais eficazes e acessíveis para todos.

30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tragédia no Fundo do Poço

Há um movimento na Câmara dos Deputados na direção de permitir que o Parlamento reveja decisões judiciais. Os deputados não são muito originais nesse samba. Uma simplificação - só menos horrenda do qu

A morte por conveniência

A morte de brasileiros, às centenas de milhares, atende a um cálculo político e a outro orçamentário. O Presidente da República, o Governador do Estado do Amazonas e o Prefeito de Manaus deram causa a

A Peste e a Fome

Há tanto simbolismo em torno do que estamos vivendo desde março deste ano, que se torna difícil enxergar a realidade material e buscar saídas racionais para os problemas que estes tempos nos impõem. “

Comments


bottom of page