top of page

O Papel da Atividade de Relações Governamentais

A presença do Estado na economia e nas relações sociais está cada vez mais intensa, urgente, ampla e impactante. Foi esse fenômeno que fez surgir um conceito inovador de democracia e uma nova atividade de serviços: as Relações Governamentais.


A atividade de Relações Governamentais é estruturante de um avanço da democracia representativa em direção a uma democracia colaborativa, entendida esta como a que adota em seus processos de decisão política meios de interação entre quem decide e quem é impactado por tal decisão, de modo a permitir, com essa interação, que os atores envolvidos possam buscar o consenso possível e deixar o dissenso como resíduo a ser decidido pelo voto da autoridade competente.


Uma tal democracia colaborativa só pode funcionar num ambiente de amplo e equitativo acesso a informação, transparência institucional, abertura do processo político, de integridade (Compliance) e lealdade na conduta das partes. Tudo a exigir alta qualificação de quem tem por atividade essas interações: o profissional de Relações Governamentais.


Hoje no Brasil, a atividade de Relações Governamentais é objeto de cursos de graduação, especialização e MBAs de mais de uma dezena entidades de ensino. A formação do profissional de Relações Governamentais é multidisciplinar e inclui noções de Governo, Direito, Economia, Administração, Negociação, Gestão, Estratégia, Comunicação, Ciências Sociais, História etc.


O profissional de Relações Governamentais tem como papel representar interesses com o fim de:

(i) informar agentes econômicos, sociais e institucionais a respeito de processos de decisão política que lhes sejam relevantes; e

(ii) colaborar no desenho e na execução de estratégias para a mitigação de riscos ou a potencialização de oportunidades econômicas, sociais, institucionais, competitivas ou operacionais que possam vir a decorrer de uma tomada de decisão política (do Legislativo ou do Executivo).


A rotina do profissional de Relações Governamentais é:

(i) acompanhar a ação governamental e legislativa;

(ii) identificar processos de decisão política que possam ter impacto em quem represente;

(iii) avaliar risco e oportunidade que tais processos possam gerar;

(iv) mapear quem participará de tais processos e quem terá interesse nele, a favor ou contra;

(v) colaborar para a definição de pontos de convergência e de divergência entre os atores no processo de decisão política, na busca de solução equilibrada para o processo;

(vi) orientar a definição de posicionamentos a serem tomados perante autoridades, tomadores de decisão, partes interessadas e partes envolvidas – estas últimas, tais como sociedade civil, mídia - (esse conjunto compõe o elenco de atores num processo de decisão política);

(vii) instruir a quem represente sobre o tempo, a forma e o conteúdo do trato com os atores;

(viii) defender, quando autorizado, de posições perante os atores no processo.


Os instrumentos de colaboração com autoridades a cargo de processos de decisão política são:

(i) a apresentação de fatos, dados e informações importantes a tomadores de decisão envolvidos no processo, de modo a que o tomador de decisão pondere tais elementos ao tratar da matéria;

(ii) o alerta para inconstitucionalidades, injuridicidades (inadequação ao ordenamento jurídico vigente), e má técnica legislativa.

(iii) o contato com as demais partes interessadas no processo, que estejam de acordo ou discordem da posição defendida, com a finalidade de buscarem o ponto mais próximo do equilíbrio entre os impactos negativos ou positivos de parte a parte;

(iv) a defesa pública e transparente de direitos, inclusive o de tratamento isonômico e o de construir e manter um Estado eficiente, eficaz e voltado para a melhoria dos ambientes econômico e social. Relações Governamentais, como tantas inovações contemporâneas, é um serviço colaborativo e disruptivo.


Colaborativo pelas razões já expostas, disruptivo porque vai além do modelo de democracia representativa, de modo a aproximar o tomador de decisão daqueles que são por ela impactados.


39 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tragédia no Fundo do Poço

Há um movimento na Câmara dos Deputados na direção de permitir que o Parlamento reveja decisões judiciais. Os deputados não são muito originais nesse samba. Uma simplificação - só menos horrenda do qu

A morte por conveniência

A morte de brasileiros, às centenas de milhares, atende a um cálculo político e a outro orçamentário. O Presidente da República, o Governador do Estado do Amazonas e o Prefeito de Manaus deram causa a

Comments


bottom of page