top of page

A morte por conveniência

Atualizado: 30 de jun. de 2022

A morte de brasileiros, às centenas de milhares, atende a um cálculo político e a outro orçamentário.


O Presidente da República, o Governador do Estado do Amazonas e o Prefeito de Manaus deram causa a que alas inteiras de hospitais sob sua responsabilidade fossem palco da morte por asfixia de pacientes de COVID-19 pela falta de oxigênio. As pessoas estavam internadas, sendo cuidadas <em>dentro de hospitais</em> e morreram porque acabou o oxigênio.


Um assessor do ministério da Saúde observou que não há por que abrir leitos de UTI, se não há oxigênio para o Norte. Então, que morram nas ruas.


Há dúvidas quanto à veracidade da afirmação de uma autoridade, ventilada nos jornais, de que a morte de idosos beneficia o equilíbrio das contas do governo, por baixar o volume de aposentadorias a serem pagas. Pode não ser verdade, e espera-se que não o seja, porém a lógica está correta. Correta e muito conveniente.


Não há relação de causa e efeito entre mortes por COVID nos últimos 11 meses e a oferta de R$ 3 bilhões de reais em emendas a senadores e deputados apoiadores da candidatura de Artur Lira. Porém, não deixa de ser uma coincidência extraordinária que tenham morrido, até esta data, já mais de 220 mil brasileiros e brasileiras; que esses brasileiros e brasileiras, em grande parte idosos, venham deixar de receber aposentadorias ou auxílios-desemprego ou auxílios-emergenciais. Se mantivermos o salário-mínimo como base para o que, digamos, 200 mil desses brasileiros mortos receberiam como aposentadoria ou qualquer outro benefício governamental, portanto R$ 1.045, chegaríamos ao valor anual (1.045 X 12 x 200.000) de R$ 2,5 bilhões de economia, por baixo, na Previdência Social.


Pois bem, o Presidente da República afirmou, semanas atrás, que o Brasil está quebrado, não tem dinheiro, não há o que fazer. Mas em seguida surgem R$ 3 bilhões para a campanha à presidência do Senado e da Câmara dos Deputados. Alguma conta fizeram. Talvez essa conta acima, macabra e conveniente


O Governo Federal, diante de toda evidência de uma nova onda da pandemia no Amazonas, lançou campanha para que a população de Manaus fizesse tratamento preventivo com as infames e inúteis cloroquina, ivermectina e azitromicina. Uso preventivo, quando já estão infectados. Prevenção, quando já estão a exigir cuidados intensivos. Campanha de prevenção, enquanto as pessoas estavam morrendo por falta de vagas, de leitos, de insumos, até o extremo de começarem a morrer por falta de oxigênio.


O debate lá é o mesmo pelo Brasil todo: Pandemia é uma mentira, lockdown é opressão - o que importa é trabalhar! A liberdade está em trabalhar. É uma ideia famosa, esta: trabalho é liberdade. Trabalho liberta. Esta é uma tradução do que estava escrito na entrada do Campo de Concentração de Auschwitz: ARBEIT MACHT FREI. Trabalhem pela liberdade. Nos dois casos, a liberdade carrega o signo da morte.


O que os bolsonaristas dizem uns para os outros no Telegram, agora que o Parler foi expulso de todos os provedores, segue o mesmo desenho, as mesmas ideias, os mesmos fins. Desprezo pela vida, destruição do Estado, manutenção do poder pelo caos nas redes sociais, ridicularização de direitos e obrigações impostas às autoridades que representam o bolsonarismo. E agora esse desenho, essas ideias e seus fins estão alcançando o grau máximo a que chegou o hitlerismo: a morte em massa por asfixia.


Ah, mas não é "morte em massa". Que exagero... Pois então, vamos fazer contas:


*Em 11 meses - de março a janeiro de 2021, morreram 220.000 pessoas de complicações causadas pelo COVID-19 no Brasil;


*Em média, morreram 666,666 (sim, não é brincadeira, a conta é essa...) pessoas por dia, todo dia, nesses 11 meses;


*De 1942 a 1945, morreram 1.300.000 pessoas em Auschwitz-Birkenau, o maior campo de extermínio nazista. Morreram esse tanto, lá e então, por asfixia, quase todos, mas também de bala, fome e experimentos médicos - experimentos de todo tipo, mas não há registro, é verdade, de terem oferecido cloroquina para curar uma síndrome respiratória grave;


*A média de mortes diárias em Auschwitz II – Birkenau naqueles três anos foi, grosso modo, de 1.200;


*O Brasil, nesta data de 31 de janeiro de 2021, alcançou o número de 1400 mortos nas últimas 24 horas. Estamos acima de 1000 mortos há semanas.


Sim, o que estamos vivendo no Brasil já não difere muito do que se registrou em Auschwitz II – Birkenau em média de número de mortos. E não difere em NADA do que segue acontecendo há semanas em Manaus: morte por asfixia. Na Alemanha nazista, matavam com Zyklon B; no Brasil bolsonarista, matam sem Oxigênio.


Não bastasse isso, uma nova cepa de COVID 19 surge em Manaus. Dada a falta de leitos e de oxigênio, e a urgência em atendimento dos pacientes, tomou-se a decisão de transferir pacientes para outros Estados. Com essa transferência, se não feita com maior cuidado do que o já dedicado à Sars-COVID-19, poderá ser que a cepa de Manaus esteja sendo espalhada a outros Estados. Quando age para salvar vidas, o Governo central o faz com o risco de disseminar nova cepa do vírus, mais mortal.


A vacina, que já existe, poderia estar sendo recebida e distribuída em larga escala pelo Brasil, não fosse a decisão do Presidente da República de rejeitar, por conta de uma agenda geopolítica manicomial, a vacina criada no Brasil junto com um laboratório chinês. Também não teve competência, nem ânimo, para adquirir a vacina da Pfizer, alegadamente porque os termos contratuais propostos pela farmacêutica eram inaceitáveis para o governo brasileiro, numa demonstração de duas falhas trágicas: (i) descaso com a urgência, conveniência e oportunidade de ter a vacina no Brasil e (ii) incapacidade de negociar a benefício do Brasil um simples contrato com a altivez e o peso que uma das dez maiores economias do mundo tem de ter e demonstrar ter diante de uma empresa privada.


Ter a vacina a tempo e modo seria, numa avaliação funesta de seus aliados, uma derrota política para Bolsonaro, que deixou o discurso em defesa da vacina ser abraçado por Governadores, enquanto ele, Bolsonaro, insistia na aposta política em tratamento precoce e desprezo por medidas de distanciamento social, higiene e uso de máscaras – que nos valeu 220.000 mortes numa conta que não para de subir.


Manaus coloca-se, de uma maneira canhestra, no epicentro da nova fase, a mais horrenda e inimaginável, do genocídio do povo brasileiro causado pela condução do País por autoridades que precisam ser levada à Justiça para responder por seus crimes contra sua gente, contra nós, brasileiros, contra a Humanidade. Sim, a alguns de vocês, os mesmos, vai parecer exagero, mas nós, brasileiros, quem diria?, fazemos parte da Humanidade


Por que se trata de genocídio? É genocídio quando centenas de milhares de brasileiros morrem por inação ou definição clara de ação governamental ineficaz para salvar vidas, sabedoras as autoridades de que havia alternativa, de que havia ações a serem implementadas com urgência, mas não o fizeram para poderem lavar as próprias mãos e terem a oportunidade política de inculparem prefeitos, governadores e o Supremo Tribunal Federal, numa luta por ganho político. Quando tudo isso se soma e se arranja, temos evidências de que o Brasil vive um genocídio pensado e articulado de cima, para a tomada e manutenção de poder por um Presidente da República que precisa ser cassado, para o bem da nação.


Não é apenas a peste que assombra o Brasil. A fome está batendo à portas como corolário da peste, pela via do desemprego e do desalento, que já atingem perto de 40 milhões de brasileiros. Sem fonte de renda para dezenas de milhões de brasileiros, a fome é uma consequência fácil de intuir. Enquanto isso, o auxílio emergencial está a risco. O Governo diz não ter dinheiro para oferecê-lo sem romper o teto fiscal.


Ora, o Governo central está preocupado com equilíbrio de contas na Previdência e no Orçamento Geral da União, enquanto estamos em guerra contra um inimigo invisível que invadiu todo o território nacional e já matou dez vezes mais brasileiros do que a Segunda Guerra Mundial.


Derrube-se o Teto de Gastos, já! As próximas gerações orgulhar-se-ão da boa governança que teremos dado ao País num momento de extremo rigor, de desarticulação da economia, de falências, de dívidas, de dor, de fome e de morte. Saberão lidar com o custo que herdarão de nós. A alternativa é a vergonha eterna, a falência da sociedade brasileira pelas mãos desta geração hoje viva e econômica, intelectual e politicamente ativa.


Se falta visão mais clara do que se passa, o povo manauara deveria levar os bolsonaristas negacionistas aos hospitais para buscarem os corpos dos mortos, tal como os americanos fizeram com cidadãos e cidadãs de Weimar, levados a conhecer os horrores de Buchenwald.

O campo de extermínio de Aschwitz II - Birkenau foi liberado pelos aliados no 25 de janeiro de 1945. Chegamos ao fim do primeiro janeiro do nosso holocausto. Vamos permitir quantos verões sob esse comando?



Caio Leonardo, advogado

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tragédia no Fundo do Poço

Há um movimento na Câmara dos Deputados na direção de permitir que o Parlamento reveja decisões judiciais. Os deputados não são muito originais nesse samba. Uma simplificação - só menos horrenda do qu

A Peste e a Fome

Há tanto simbolismo em torno do que estamos vivendo desde março deste ano, que se torna difícil enxergar a realidade material e buscar saídas racionais para os problemas que estes tempos nos impõem. “

Comments


bottom of page